• O que é droga?

Palavra de origem controvertida, viria do holandês “droogen” (mercadoria seca), que era a forma com que se apresentavam as folhas medicinais, antepassadas dos modernos medicamentos ou seria uma adaptação do vocábulo persa “daru” (medicina) que teria migrado para o francês “drogue” e o italiano “droga”. Em inglês, a palavra “medicine” também significa medicamento. O termo hoje, em Português, designa principalmente as diversas substâncias ilícitas comercializadas.

  • Drogadição (ou drogadicção)

Termo traduzido do inglês “drugaddiction” que também carece de uma definição mais precisa. Seria o uso nocivo de drogas, principalmente quando há sinais e sintomas de dependência.

  • Droga de abuso

É qualquer substância ou produto utilizado pelo sujeito com o objetivo claro de obter deste um efeito psicoativo (ver) recreativo, sem qualquer indicação terapêutica ou orientação médica.

  • Drogas:

Dependência de: estágio no qual o uso da droga é necessário para que o indivíduo possa sentir-se bem, evitando assim os sintomas de abstinência. Toda a vida do sujeito gira em torno de como obter a droga, provocando a si enormes perdas sociais e afetivas, além dos danos à saúde. Nesta fase o(a) usuário(a) não consegue mais ocultar seu estado e a recuperação, sem um tratamento adequado, é mais difícil. Em geral existe algum tipo de dependência física e/ou psicológica.

Uso abusivo: é um estágio intermediário entre o uso indevido e a dependência. Nesta fase os danos à saúde são pouco percebidos pelos que convivem com o(a) usuário(a). As perdas sociais e afetivas podem ser compensadas com períodos de abstinência e busca de tratamento. Ainda assim os riscos de surgirem problemas graves de saúde e envolvimento com o sistema penal são elevados. Normalmente encontra-se dependência psicológica. A OMS preconiza a classificação uso nocivo, por entender que a expressão uso abusivo tem conotação preconceituosa.

Uso indevido: é o uso de qualquer substância psicoativa legal ou ilegal com objetivo recreacional, ou mesmo terapêutico, quando há outras alternativas disponíveis, mais seguras; quando o uso de substância psicoativa legal coloca em risco a integridade física do(a) usuário(a) ou ainda se este uso está fora dos padrões culturais determinados pela sociedade ou grupo ao qual pertence o indivíduo.