Objetivo:
Tornar os ambientes de trabalho e unidades de saúde, locais que estimulem a adoção de comportamentos saudáveis;

Implementar nos ambientes de Trabalho e Unidades de Saúde áreas livres da poluição tabagística ambiental e estimular os profissionais de cada unidade apoiarem os fumantes no processo de cessação de fumar.

Desenvolvimento:
Tabagismo – Ambientes livres do cigarro
Abordagem de fumantes

Filosofia de Atuação:
O programa não tem como objetivo perseguir fumantes, e sim apóia-los no processo de cessação de fumar se estes assim o desejarem;

O programa deve procurar envolver fumantes nas suas atividades, ter atitudes agregadoras, não conflitantes, onde predominem o bom senso e a preocupação com o bem estar comum. EVITAR O CONFRONTO!

Normatizar as ações de controle do tabagismo:

1) Cumprir a Lei 9294/96;
2) Formar Comissão na Unidade – capacitar a Comissão para desenvolver o Programa, contando com o apoio da Coordenação do Viva Mais;
3) Identificar os fumódromos e restringir o uso de tabaco aos fumódromos;
4) Remoção dos cinzeiros;
5) Proibição da venda de cigarro na instituição;
6) Sinalização;
7) Sensibilização dos Recursos Humanos;
8) Treinamento de seguranças e recepcionistas;
9) Realização de Campanhas, cursos, seminários, debates;
10) Realização de comemorações de datas alusivas (31/05 e 29/08);
11) Campanha de lançamento do Programa;
12) Distribuição de material educativo;
13) Divulgação do resultado da pesquisa;
14) Apoiar os funcionários fumantes no processo de cessação de fumar, encaminhando-os ao CECOM ou ao ASPA/HC (2º andar);

 

metodologia

 

1ª Etapa

  • Sensibilizar a direção da Unidade para formar a comissão executiva que desenvolva as ações educativas;
  • Formalizar a comissão por Portaria, porém sem divulgação nesse momento;
  • Elaborar um projeto;
  • Não divulgar o Programa nesse momento.

2ª Etapa

  • Obter com o RH o cadastro dos funcionários por depto.;
  • Realizar pesquisa quantitativa para conhecimento do perfil dos tabagistas;
  • Anexar mensagem da Direção ao formulário de pesquisa;
  • Contar guimbas de cigarro (solicitar auxílio ao pessoal encarregado da limpeza);
  • Contar pessoas fumando.

3ª Etapa

  • Afixar o cartaz 1 da Campanha de Lançamento do Programa “Pare e Pense”, é coerente fumar nesse ambiente?
  • Percorrer os setores para definição de fumódromos;
  • Elaborar proposta de normatização sobre a utilização de tabaco nos ambientes de trabalho e unidades de saúde;
  • Treinar vigilantes, recepcionistas e faxineiros das unidades.

4ª Etapa

  • Afixar o cartaz 2 da Campanha de lançamento do Programa “Fumar não combina com saúde: Ajude a criar um ambiente livre de tabaco”
  • Distribuir para todos os funcionários o folheto 1 da campanha de lançamento “Fumar não combina com saúde: Ajude a criar um ambiente livre de tabaco”
  • Juntar mensagem da Direção informando sobre os fumódromos;
  • Realizar sensibilização para o corpo gerencial e funcional;
  • Marcar o dia “D” de implantação do Programa.

5ª Etapa

  • Afixar o cartaz 3 da Campanha de lançamento do Programa “Pode respirar à vontade”;
  • Distribuir para todos os funcionários o folheto 2 da Campanha de lançamento do Programa: “Pode respirar à vontade”;
  • Sinalizar a instituição com os adesivos “Ambiente Livre de Cigarro” e “Fumódromos”;
  • Retirar os cinzeiros;
  • Proibir a venda de derivados do tabaco em cantinas ou similares;
  • Divulgar a portaria interna da direção, restringindo o consumo de derivados do tabaco aos fumódromos;
  • Divulgar os resultados da pesquisa quantitativa.

6ª Etapa

  • Manter o processo de disseminação de informação continuadas através de boletins e eventos técnico-científicos;
  • Divulgar o Programa internamente através da comunicação social;
  • Monitoramento contínuo pela Comissão;
  • Comemorar as datas alusivas (31 de maio e 29 de agosto);
  • Contar as guimbas de cigarro e pessoas fumando, um mês, três meses, seis meses e um ano após o dia “D” (solicitar auxílio ao pessoal encarregado da limpeza);
  • Realizar nova pesquisa quantitativa um ano após o dia “D”.

Veja o modelo da Portaria Interna (arquivo .DOC)